Tags

,

Quem é:

Guilherme de Andrade Almeida (1890-1969). Cursou a Faculdade de Direito de São Paulo, concluindo-a em1912. Foi redator de “O Estado de São Paulo”, diretor da “Folha da Manhã” e da “Folha da Noite”, fundador do “Jornal de São Paulo” e redator do “Diário de São Paulo”. Com a publicação do livro de poesias “Nós” (1917) iniciou sua carreira literária. Em 1922, participou da Semana de Arte Moderna, seu escritório serviu de redação para os fundadores da revista “Klaxon”. Percorreu o Brasil, difundindo as idéias da renovação artística e literária. Os livros “Meu” e “Raça” (1925) são fiéis à temática brasileira e ao sentimento nacional. Dominou amplamente o fazer poético, por ser grande conhecedor da ciência do verso e da língua, ajudando-o também a ser um excelente tradutor. Traduziu, entre outros, os poetas Paul Géraldy (“Eu e Você”), Rabindranath Tagore (“O Jardineiro” e “O Gitanjali”), Charles Baudelaire (“Flores das Flores do Mal”), Sófocles (“Antígona”) e Jean Paul Sartre (“Entre Quatro Paredes”). Em 1932 participou da Revolução Constitucionalista de São Paulo. Também foi heraldista, fez os brasões-de-armas das seguintes cidades: São Paulo (SP), Petrópolis (RJ), Volta Redonda (RJ), Londrina (PR), Brasília (DF), Guaxupé (MG), Caconde, Iacanga e Embu (SP). Compôs também um hino a Brasília, quando a cidade foi inaugurada. Era membro da Academia Paulista de Letras; do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo; do Seminário de Estudos Galegos, de Santiago de Compostela; do Instituto de Coimbra e da Academia Brasileira de Letras. (Fonte)

Poemas:

Maxixe

O chocalho dos sapos coaxa
como um caracaxá rachado. Tudo mexe.
Um vento frouxo enlaga uma nuvem baixa
fofa. E desce com ela, desce.
E não a deixa e puxa-a como uma faixa
e espicha-se e enrolam-se. E o feixe rola
e rebola como uma bola
na luz roxa
da tarde oca
boba
chocha.

Arco-íris

Primavera.
Um pedaço de céu caiu na terra:
em tufos fofos de flocos frouxos frívolas hortênsias
volantes como crinolinas fúteis
desmancham-se em reverências
ou passeiam como sombrinhas lindamente inúteis
ou pousam empoadas de ar como pompons. O céu
é um grande linho muito passado no anil
que o vento enfuna num varal de vidro. Ele é o
toldo azul de um bazar
onde brinca vestido de ar
um clown elástico, ágil e sutil.

Humorismo

Sossego macio da tarde.
Um sol cansado
passa pelo rosto suado
uma nuvenzinha alva como um lenço
para enxugar as primeiras estrelas.
Silêncio.
E o sol vai caminhando sobre os montes tranqüilos
vai cochilando. E de repente
tropeça e cai redondamente
sob a pateada dos sapos e a vaia dos grilos.

Rua

A rua mastiga
os homens: mandíbulas
de asfalto, argamassa,
cimento, pedra e aço.

A rua deglute
os homens: e nutre
com eles seu sôfrego,
omnívoro esôfago.

A rua digere
os homens: mistério
dos seus subterrâneos
com cabos e canos.

A rua dejecta
os homens: o poeta,
o agiota, o larápio,
o bêbado e o sábio.

(Haicais)

Os andaimes
Na gaiola cheia
(pedreiros e carpinteiros)
o dia gorjeia.

Pescaria
Cochilo. Na linha
eu ponho a isca de um sonho.
Pesco uma estrelinha.

Janeiro
Jasmineiro em flor.
Ciranda o luar na varanda.
Cheiro de calor.

Infância
Um gosto de amora
comida com sol. A vida
chamava-se “Agora”.

De noite
Uma árvore nua
aponta o céu. Numa ponta
brota um fruto. A lua?

Romance
E cruzam-se as linhas
no fino tear do destino.
Tuas mãos nas minhas.

Festa móvel
Nós dois? – Não me lembro.
Quando era que a primavera
caía em setembro?

O haicai
Lava, escorre, agita
a areia. E enfim, na bateia,
fica uma pepita.

Anúncios